Semed informa a suspensão das aulas na Escola Alcides e assina ordem de serviço de reforma geral

A Secretaria Municipal de Educação (Semed), a direção da Escola Municipal Alcides Pereira dos Santos e o Conselho Escolar se reúnem nesta terça-feira (13), com os pais e responsáveis dos alunos que estudam na escola para informar a suspensão imediata das aulas em atendimento à recomendação do Ministério Público do Estado (MPE), que solicitou a interdição completa da unidade escolar.

A secretária municipal de Educação, Carmen Garcia Monteiro, informa que as aulas ficarão suspensas, já que em averiguação de equipes da Secretaria não foi possível, até o momento, encontrar um espaço para atender a demanda da escola de Ensino Fundamental que atende mais de 600 alunos.

“Para locar um prédio que atenda às necessidades da escola precisamos de mais tempo. O local precisa ser encontrado, avaliado quanto ao atendimento das necessidades de alunos e servidores e caso seja encontrado, é preciso ainda encaminhar o projeto de lei para a Câmara Municipal para que os vereadores autorizem que a Prefeitura faça a locação. São trâmites que delongam certo tempo”, explica Carmen.

Para solucionar definitivamente o problema estrutural da escola, a Semed irá assinar nesta quarta-feira (14), a ordem de serviço para o início imediato das obras de reforma geral da unidade de educação. Com um custo superior a R$ 1 milhão, a escola terá toda rede elétrica e hidráulica trocada, telhados e forros serão reconstruídos, pisos trocados, além de realizada pintura geral. A previsão é de que a obra seja concluída em oito meses.

“Nos reunimos com os responsáveis da empresa vencedora do processo licitatório e solicitamos a maior agilidade possível na conclusão das obras”, destacou a secretária, que complementou que a Semed está reformando várias escolas no município, trazendo melhorias na infraestrutura para garantir melhor qualidade do ensino público municipal.

A secretária ressalta que a reforma na escola já havia sido iniciada, mas a empresa responsável abandonou a obra. Diante da situação, foi necessário realizar um distrato com a empresa e promover uma nova licitação. Parte da escola já estava interditada pela própria Semed com o intuito de resguardar alunos e servidores de qualquer risco.

Carmen informa ainda que serão cumpridos os 200 dias letivos e 800 horas aulas conforma a Lei de Diretrizes Básicas da Educação. Quando definido o retorno às aulas dos alunos, a Semed, com o Conselho Deliberativo Escolar, irá elaborar o plano de reposição para que não haja prejuízos aos estudantes.

Fonte:Assessoria

COMPARTILHAR

Comentários