Delegado geral defende fechamento de unidades e diz que Claudinei mudou posição por política

O delegado geral da Polícia Judiciaria Civil de Mato Grosso, Mário Dermeval Aravechia, defendeu o fechamento das 16 delegacias no interior e afirmou que a única solução seria a realização de um concurso público. Durante audiência pública na Assembleia Legislativa (ALMT), na manhã desta sexta-feira (15), para discutir o assunto, ele afirmou que o lado politico não é levado em consideração e citou ainda que o deputado delegado Claudinei (PSL), defendia o fechamento das unidades quando atuava na segurança pública, mas agora que é deputado mudou de posição.

O governo bateu o martelo e definiu que as delegacias de Mato Grosso terão as atividades suspensas devido à falta de efetivo. As unidades policiais estão localizadas em municípios que não são comarcas (não tem juiz, promotor e defensor público), e apresentam baixo índice de produtividade e registros de ocorrências, conforme explicação do Executivo.

Para o delegado geral, a única solução viável seria a realização de um concurso público para investigadores e escrivães. Porém, da elaboração de um certame até o chamamento dos aprovados, poderia demorar cerca de dois anos. O último concurso aconteceu em 2013.

“Infelizmente não há outra opção. Se o problema fosse financeiro, sentaríamos com os prefeitos, trabalharíamos para elaboração de um termo de cooperação. Não há intenção nenhuma da polícia em suspender o funcionamento das unidades, o problema é que não tem gente. Por mais que os municípios, por exemplo, desponham servidores municipais, eles não são policiais. E o policial trabalhando sozinho em uma unidade não investiga, e a função da Polícia Civil não é de policiamento ostensivo, é de investigação, inquérito”, relatou.

Mário Dermeval explicou que o “lado político” não foi levado em consideração para que a decisão fosse tomada. Segundo ele, a polícia trabalha dentro de critérios estritamente técnicos. “Pois não há politica que resolva essa situação neste momento, infelizmente”, lamentou. “Eu entendo os posicionamentos dos deputados, eles são políticos, tem que defender o seu eleitorado. O doutor Claudinei era delegado até cerca de um ano e meio atrás, e ele solicitava o fechamento das unidades, agora ele é deputado, né ”, acrescentou.

O pesselista foi responsável pela administração de 14 unidades do polo regional Rondonópolis, de acordo com as Regiões Integradas de Segurança Pública (RISP). Claudinei atuou por 15 anos na Polícia Judiciária Civil e trabalhou 14 deles na região Sul do Estado. Atuou nos municípios de Juscimeira, Jaciara e depois foi lotado em Rondonópolis na Divisão de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), Delegacia de Roubos e Furtos (Derf), Delegacia do Adolescente e por último estava na coordenação da 1ª Delegacia de Polícia.

O delegado Claudinei, que vê o fechamento das delegacias como preocupante, afirmou entender o relatório da Segurança do Estado de Segurança Pública (Sesp), mas acrescentou que irá buscar alternativas com o governador, Polícia Civil e o sindicato, para tentar amenizar o impacto da decisão.

Resultado de imagem para delegado claudinei rogério florentino
“É uma situação preocupante, principalmente para a população, moradores dessas cidades. Dependendo da localização vão sofrer muito com a distancia de mais de 100 quilômetros, estradas de terra, até chegar em uma delegacia mais próxima”, disse. “Vamos sair daqui e tentar agendar com o governador do Estado, chamar a própria direção da Polícia Judiciária Civil, o sindicato, para estarem junto conosco, para conversar com o governador, ver uma alternativa, uma solução rápida”.

Questionado sobre a fala do diretor geral, o delegado Claudiney explicou ao Olhar Direto que quando atuava na delegacia de São José do Povo, defendeu o fechamento da mesma, por problemas de estrutura. A unidade apresentava uma rachadura que colocava o imóvel em risco de desabamento. “O estado alegava que não tinha como reformar a delegacia, não tinha recursos, não era nem questão de efetivo. Desde a época só um investigador e um servidor cedido pelo município. Já que o estado não tinha dinheiro, eu até me manifestei na época para fechar a delegacia. Eu concordei que como não tinha reformar e tinha o perigo de desabamento, eu tinha que concordar, não tinha outra opção”, relatou. Na ocasião, o prefeito, com auxílio dos vereadores conseguiram reformar a unidade, que acabou não sendo fechada.

“Hoje a gente tem outra visão. Eu como deputado estadual sou até cobrado pelos prefeitos. Na regional de Rondonópolis, [as delegacias de] Tesouro, São José do Povo e Ponte Branca irão fechar. Todos esses municípios me ajudaram como [delegado] regional, investiram nas delegacias, ajudaram na reforma, cederam servidores para ajudar no trabalho interno. Hoje é normal que eles venham cobrar a gente como deputado estadual um apoio para que não fechem as delegacias. Hoje a gente tem a visão deputado estadual, a gente tem que olhar o estado todo e vê o que é melhor para a população”, ponderou.

Fonte: Olhar Direto

BANNER
COMPARTILHAR

Comentários