Tem dado o seu dízimo?

A Bíblia nos ensina o conceito de dízimo, no sentido tradicional, que é entregar aos sacerdotes do templo a décima parte de todos os seus bens. Ao longo do tempo, com a difusão da igreja e profusão de templos, dizimar hoje, similarmente, significa oferecer 10% de seus rendimentos ao templo em que se congrega. Independentemente do conceito, tradicional ou moderno, cabe a pergunta: você tem oferecido o dízimo do seu bem mais precioso?

E qual é o bem mais precioso? Reais, Dólar, Euro, Libra? Pedras preciosas, nióbio, ouro? Soja, petróleo, terras? Todas essas coisas são muito valiosas, não há como negar. Bem como são coisas que se podem perder e ganhar. E ao ganhar, pode-se até acumular. Porém, há um bem tão ou mais valioso que os descritos acima, o qual não podemos ganhar por vontade própria e tampouco acumular (e para nosso desespero só podemos perdê-lo, o que fazemos muito bem e muitas vezes até sem querer). Um bem que não vemos, não pegamos, não sentimos o cheiro e nem o gosto, mas que, juntamente com o “espaço” é o fundamento em que se assenta toda existência: esse bem é o tempo.

Em tempos em que se perde tempo com tudo, mesmo sabendo que não se pode acrescentar um segundo que seja à nossa vida, como você está lidando com o tempo restante de sua vida? Sim, pois a partir do momento que somos concebidos, nosso tempo nessa vida é contado e não desfrutaremos nem um minuto a mais e nem um minuto a menos do que foi determinado por Deus. A partir do nosso nascimento começa a contagem regressiva para o fim de nossa existência nesse planeta. O que você tem feito com o tempo que lhe resta?

Todos, independentemente de classe social, nacionalidade, conta bancária, cor ou gênero, recebem, todos os dias, igualitariamente, 24 horas para usufrui-las. Nesse quesito ninguém tem vantagem sobre ninguém. E, muito embora várias pessoas tenham que dedicar grande parte do seu tempo ao trabalho, estudo, deslocamentos, repouso, etc., está claro que um dos maiores desafios da modernidade é gerenciar essas preciosas horas.

Nessa toada, ficam as perguntas: o que é importante para você? E quem é importante para você? Pausa de 5 minutos para o leitor pensar…

Ao elencar coisas importantes para você, em algum momento você pensou além de si mesmo? Foi além dos bens materiais, da autossatisfação e do puro hedonismo? Chegou a cogitar a possibilidade de dedicar seu tempo para fazer coisas boas que não fossem direcionadas apenas para si? Pensou na possibilidade de dedicar esse valioso recurso a outras pessoas que não sejam tão próximas de você? E ao pensar nas pessoas que são importantes para você, pensou em quanto tempo tem dedicado a essas pessoas?

Ao pensar em sua riqueza, em seu bem mais preciso – seu tempo – quanto dele você tem dado a outras pessoas? Você tem gasto suas 24h de forma preguiçosa, indiscriminada e egoísta? Que tal dedicar uma parcela de seu tempo para fazer o bem a outros? E gastar uma boa parcela de suas horas se dedicando às pessoas que ama? Que tal dizimar o seu tempo com esse objetivo? Dar 10% de suas 24h para outras pessoas e outros afazeres que não sejam em benefício próprio. Doe o dízimo do seu tempo para atos de amor ao próximo e também para estar próximo (bem próximo) de pessoas que ama.

Eustáquio Rodrigues Filho – Cristão, Servidor Público e Escritor. Autor do livro “Um instante para sempre”. Instagram: @eustaquiojrf.

BANNER
COMPARTILHAR

Comentários