Senador reage a pressão dos “barões do campo”: “não sou filho de pai assombrado”

“Não sou filho de pai assombrado. Não adianta mandar recadinho para mim que eu não vou aceitar”. Essa foi à declaração do senador eleito, Jayme Campos (DEM), ao revelar que está sendo coagido por ser um dos entusiastas da taxação do agronegócio. Ele revelou que vai seguir fazendo o enfrentamento e cobra que o governador eleito Mauro Mendes (DEM) tenha posicionamento quanto ao assunto, ao assumir o executivo, em janeiro de 2019.

O senador eleito comentou que pautou sua candidatura neste ano com transparência e dizendo que seria independente. Por isso, não vai aceitar intimidações de grupos que seguem querendo sonegar impostos em Mato Grosso. “Aqui ninguém vai me acuar, não adianta mandar recadinho para mim que eu não vou aceitar. Eu sou independente e disse na campanha que seria senador de todos matogrossenses”, disparou o democrata em entrevista ao Programa Resumo do Dia (TBO).

Jayme, que esteve presente na audiência pública que debateu a taxação do agro na Assembleia Legislativa nesta quinta-feira (30), explicou que deve ser aplicado um modelo aonde os grandes produtores contribuam a mais com o Estado. Segundo ele, é inaceitável um estado rico e ninguém ver onde está a riqueza.

Porém, ele defende ser necessário rever as contribuições do setor, e “garimpar” os sonegadores. “Sobretudo, fazer aqueles que não estão pagando nada, que são os sonegadores, começar a pagar, e aqueles que não estão pagando quase nada, pagar alguma coisa, devolver alguma coisa para os mais humildes e menos afortunados do Estado de Mato Grosso”, observou.

O democrata avalia que, ao contrário do que alegam os contrários a taxação, a proposta não ira quebra os “barões e tubarões”. “Tem os caminhos. Não vamos quebrar ninguém, não vai apertar ninguém, muito pelo contrário, será uma pequena contribuição de toda essa riqueza, que o estado já deu para alguns barões e tubarões aqui, que tem que pagar em termos de impostos, em termos de alguma coisa para que Mato Grosso seja um estado mais justo”.

Desde o primeiro momento que surgiu o assunto polêmico sobre a taxação, o governador eleito anunciou que iria estudar o tema para se posicionar. No entanto, Jayme afirma que Mendes foi eleito para tomar uma posição quanto ao assunto e espera que isso seja feito.

Por fim, ele destaca que os “barões e tubarões” não são donos do Estado para mandar recado. Ele garante que vai seguir o enfrentamento para taxar o agronegócio. “Não aceito vim meia dúzia de bacana que acham que é dono de Mato Grosso, mandar recadinho por boca de lavadeira de rua. Vou fazer o enfrentamento e vou cobrar do governador Mauro Mendes, para que ele ponha em prática o que ele disse na campanha, que vai melhorar a saúde , vai melhorar a educação. Só se faz isso aí com grana e a grana está nas mãos de meia dúzia de barão e tubarão”.

Fonte:Folhamax

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × quatro =