#SemMedo e com respeito à Vida

Nunca neguei minha história de Vida. Como muitos brasileiros, tenho defeitos. E muitos acertos também. Mas, se há algo que carrego com meus símbolos e história, é não se acovardar, não desrespeitar ninguém. Não desistir ! Lutar pelas minhas convicções, pelo melhor e não pelo pior.

Sou contra ameaças, o pânico político e a violência de todas as formas. Não dou apoio à exclusão dos direitos fundamentais e de minorias. O Estado não serve para tais práticas. Digo isso sem ter medo de ser feliz. Então, convoco a todos! Manifestem-se no voto aos sinais que atentam contra a Vida. Nas ruas, nas redes, “saudações pra quem tem coragem!”

Por isso, nesta Eleição 2018, eu tenho lado. Não me escondo. Eu não posso me calar, ainda que um opressor, intimide a mim e milhões de brasileiros, pela ganância do poder, para dizer que eu vá pra cadeia ou para fora do Brasil. Eu fico aqui, ninguém me tira. É por isso que sou #Haddad13.

Não tem como acreditar em quem se esconde do debate de propostas e se arma de falsidades e mentiras no WhatsApp, bancado por empresários inescrupulosos, que massacram e manipulam a opinião pública e cidadãos simples para espalhar o medo, a ameaça e a desunião. E o que dizer do anúncio hoje (26/10) do estrategista-chefe de Donald Trump, Steve Bannon, em apoio ao candidato do PSL?

Não vou dar mau exemplo aos meus filhos, e nem envergonhar minha origem e minha história. Que se compara a de muitos cidadãos de bem e de Paz de Mato Grosso e do Brasil. Eu tenho certeza que o PT não é o melhor exemplo de políticas públicas recentes. Mas, partido não governa. Pessoas é que fazem acontecer, que realizam. Vibram, choram, buscam a felicidade. Sonham e têm frustrações. Pessoas é que têm experiência e atuam a favor da coletividade.

Houve corrupção na gestão de Lula e Dilma, sim. É fato! E já foram punidos pela lei, pela Justiça e pela população. Portanto, há no debate presidencial Haddad x Bolsonaro mais emoção do que razão. Menos propostas para as urgências do Brasil. Como geração de emprego e renda, melhoria da saúde e educação e combate sistemático à criminalidade e à violência.

E tem mais: entre um professor e um opressor e mau caráter chamado Jair Bolsonaro, fico com o professor Fernando Haddad, por uma questão clara e lógica. Por respeito à Vida, por acreditar que a educação formal e informal é melhor do que alguém que se preocupou em ser político profissional e colocar a família dele na política, desenfreado no poder pelo poder. Não tem como aturar. Sou cristão de verdade, não sou falso. Sou democrata.

Por acaso, nós colocaríamos pra cuidar da nossa Casa Brasil quem não conhece todos os cantos dessa casa e não sabe lidar com ela? E uma pessoa que se diz de família, e educou mal os filhos, a ponto de um deles, em gesto autoritário, como o pai, dizer que vai fechar o STF ao ser contrariado? Ou ainda, qual pai e mãe como Bolsonaro que colocam e instigam os filhos brasileiros a brigarem? Isso não é líder, nem exemplo de homem público decente. É oportunismo rasteiro.

Haddad tem experiência administrativa na gestão pública como ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação. Entre outras qualidades. E Bolsonaro? Além de só falar raivoso e perseguir os que o criticam, ser preconceituoso, não respeitar as mulheres, pessoas em geral.

O que tem a oferecer? Vai privatizar a economia para um grupo de pensadores, entre eles um acusado pelo Ministério Público de fraude com dinheiro nosso? E em 27 anos como deputado federal, administrou o quê? Um comando militar pequeno. Onde só se dá ordens e todos só ouvem e obedecem, comparado com 200 milhões de brasileiros que tem que liderar? O que ele fazia enquanto crescia e grassava a corrupção no Rio de Janeiro, onde estava?

E ainda: fala em combater a violência armando ainda mais a população. E será que os brasileiros podem confiar em alguém que se aliou falsamente, de modo tacanho, a religiosos e a setores de empresários pra tirar direitos dos trabalhadores e intimidar pessoas à força pra votar nele?

Por isso, domingo dia 28 é #Haddad13. Em respeito à opinião e na defesa do direito dos que discordam, mas que não são perseguidos e ameaçados, nem mortos, como Hitler e sua tropa fizeram com 6 milhões de judeus.

E por fim, Bolsonaro não pode ser exemplo para nenhum valor cristão, porque ele nega a própria Vida. E Vida temos que ter em abundância, com Fé, com trabalho e certeza de dias melhores. #SemMedo, #SemÓdio. Com respeito, confiança, Amor, esperança… Meu voto é sobretudo pelos que não podem falar. Contra a ditadura, pela Democracia e pelo caro direito dos cidadãos se expressarem livremente.

#SaudaçõesPraQuemTemCoragem !

Fonte: Jonas da Silva é cidadão de bem e jornalista em Cuiabá-MT.

COMPARTILHAR

Comentários