Jayme Campos se diz lisonjeado com cotação de seu nome para presidir o Senado

Senador eleito para mais 8 anos de mandato, Jayme Campos (DEM) passar a ser considerado um dos possíveis nomes na disputa a presidência do Senado, que ocorrerá em 2 de fevereiro de 2019. O nome do democrata surge em meio a tentativa dos articuladores do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), de construir um consenso para facilitar a relação com o Planalto.

A favor de Jayme Campos existe a experiência de ter sido senador entre 2007 e 2014, época em que construiu o trânsito entre vários partidos, principalmente os de maior bancada, como MDB, com 12 senadores, PSDB, que tem 8, PSD, com 7, o próprio DEM, que conta com 6. Isso sem contar o PT, que também tem 6 votos.

Jayme é visto como um quadro experiente do DEM, que poderia ajudar a intenção do governo Bolsonaro de realizar profundas reformas, ainda mais as constitucionais, que necessitam de quórum qualificado, ou seja, 317 votos. Nesse contexto, o apoio dos presidentes da Câmara e do Senado representa um passo fundamental, pois eles definem as pautas e as matérias que terao prioridade nas votações.

 

Durante a primeira visita oficial do presidente eleito, Jair Bolsonaro, a Brasília, no Congresso Nacional, quando participou da solenidade em comemoração aos 30 Anos da Constituição Federal, o comentarista político da Globo News, Valdo Cruz, um dos mais influentes jornalistas políticos do Brasil, apontou que o Congresso tem duas prioridades a serem resolvidas, que são as eleiçoes os presidentes da Câmara e do Senado.

Valdo Cruz citou a possibilidade do Democratas ter a candidatura a reeleição de Rodrigo Maia (DEM/RJ) para presidência da Câmara ou a eleição do senador Jayme Campos para a presidência do Senado.

A citação revelou a proximidade de Jayme Campos com o presidente eleito, que nos 28 anos de mandato como deputado federal conviveu tanto com Jayme quanto com seu irmão, Júlio Campos, que foi deputado federal por dois mandatos e também senador.

Esta sexta-feira (9) foi agitada para o lado do senador Jayme Campos, que passou a ser procurado por outro senadores diante da possibilidade de entrar de fato na disputa pela presidência do Senado, uma das casas fundamentais para o novo governo, que precisa de apoio político e pulso forte para promover as reformas necessárias, como a previdenciária, tributária e política.

Jayme evitou falar sobre as últimas notícias de sua possível candidatura se limitando a dizer que ficou lisonjeado por ter o nome lembrado entre 81 senadores.

Fonte: Gazeta Digital

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × cinco =