Professores, motoristas, médicos e bancários vão parar nesta sexta-feira

Em protesto contra as reformas trabalhista, previdenciária e terceirização que tramitam no Congresso Nacional, algumas categorias de servidores públicos aderiram ao novo dia de greve geral marcada para esta sexta-feira (30).

Os trabalhadores se concentrarão às 7h na Universidade de Mato Grosso e às 14h seguirão em carreata até a Praça Ipiranga, no Centro de Cuiabá, onde se reunirão em uma assembleia aberta.

Sem a participação integral das categorias sindicalizadas no Estado de Mato Grosso, algumas que já manifestaram apoio ao movimento devem atuar de forma parcial no atendimento ao público enquanto outras devem paralisar 100% os serviços.

Transporte

O presidente Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores do Transporte Coletivo de Cuiabá e Região (STETT/CR) garantiu que, mesmo aderindo à greve, metade da frota irá atender aos usuários de Cuiabá e Várzea Grande durante todo o dia da paralisação.

“Nós temos cerca de 400 ônibus nas ruas todos os dias. Esperamos que não haja nenhum ato de vandalização, e entramos em consenso que 50% dos ônibus estarão nas ruas e vamos cumprir isto. Alguns grupos mais radicais poderão atrapalhar o andamento dos serviços, mas será contornado”, pontuou.

Saúde

O Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde de Mato Grosso (Sisma-MT), que sempre está presente nas manifestações, desta vez irá apoiar com alguns representantes in loco.

No entanto, garantiu que não haverá paralisação total dos servidores que atuam na saúde pública do Estado.

“Lutamos contra o caos instalado na Saúde Pública, que se firma como o pior momento de sua conjuntura de todos os tempos. Os novos gestores da Secretaria de Estado de Saúde (SES) estão no empenho em mudar este panorama e precisamos estar presentes para ajudar nessa reconstrução”, diz o Sisma.

Educação

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), toda a rede municipal e estadual estará junto à paralisação desta sexta na capital. Inclusive em algumas cidades do interior haverá atos em apoio ao movimento, como Sinop, Rondonópolis, Cáceres.

Sendo assim, não haverá aula nesta sexta aos alunos das escolas municipais e estaduais.

Na rede federal, a paralisação também terá adesão.

Bancos

Seguindo a mesma linha da adesão total à greve geral, o Sindicato dos Bancários de Mato Grosso (Seeb/MT) informou que não haverá expediente de atendimento nos bancos de todo Estado, já que a expectativa é que 100% das agências bancárias públicas e privadas em todo o Mato Grosso paralisem as atividades durante 24 horas.

Para o presidente do Seeb/MT, Clodoaldo Barbosa, as reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB) retiram direitos e as garantias de futuro da classe trabalhadora, que torna a greve necessária para para manifestar nossa insatisfação com essas propostas.

“Somente parando as nossas atividades e participando da mobilização junto com todos os trabalhadores do país é que poderemos barrar essas reformas que retiram muitos direitos importantes. A greve será um momento decisivo, por isso avaliamos como fundamental mostrar a unidade de toda a classe trabalhadora”, afirma.

Correios

Em relação à distribuição, ao atendimento e à entrega no setor dos Correios ainda não há uma definição integral dos funcionários e agências que aderiram à greve, embora o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso (Sintect-MT) tenha convocado a categoria a participar. A expectativa é que ao menos 30% dos serviços estarão em atividade nesta sexta-feira.

Segurança

De acordo com o presidente do Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil (Siagespoc-MT), Cledson Gonçalves, delegados, investigadores e escrivães decidiram por não se aliar à paralisação por não se identificarem com a luta.

“Nós não vamos aderir à manifestação por sermos contra a reforma trabalhista e também por ter cunho político, o ‘Fora Temer’. A reforma trabalhista não nos diz respeito e a questão política preferimos ficar fora dessa discussão”, afirma.

Confira os sindicatos que manifestaram apoio à greve geral:

  • Sinetran-MT (Trabalhadores do Detran de MT)
  • Sindimed-MT (Médicos do estado de MT)
  • Sintect-MT (Trabalhadores nos correios de MT)
  • Sindjufe-MT (Trabalhadores do judiciário federal)
  • Sindes-MT (Trabalhadores do desenvolvimento econômico social)
  • Sinasefe-MT Secção São Vicente (Trabalhadores do IFMT São Vicente)Seeb-MT (Bancários de MT)
  • Sintep-MT (Educação municipal e estadual MT)Sintuf-MT (Trabalhadores técnicos federais UFMT)
  • Adunemat (Professores universitários da Unemat)
  • Sindsep-MT (Servidores federais)
  • Adufmat-MT (Professores(as) UFMT)
  • STETT/CR (Motoristas de ônibus de Cuiabá)

Fonte: RepórterMT

COMPARTILHAR

Comentários