Juiz nega sigilo em ação contra sobrinho de Maggi acusado de “lavar” dinheiro

mshfyO juiz Jeferson Schneider, da 5ª Vara Federal em Mato Grosso, negou pedido para decretar sigilo em uma das ações provenientes da Operação Ararath contra Samuel Maggi Locks, sobrinho do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

A decisão foi estabelecida no dia 21 de junho.

De acordo com investigações, Samuel participou de um esquema criminoso que se valeu de um sistema financeiro paralelo (à margem do oficial), movimentando cifras milionárias para fins diversos, incluindo corrupção e financiamento ilegal de campanhas eleitorais.

Na denúncia, o MPF detalha que o sobrinho de Maggi agia a mando do então secretário de Estado de Fazenda Éder Moraes para “lavar o dinheiro”.

Samuel teria contraído empréstimo junto ao Bic Banco, repassando o dinheiro para o pagamento de dívidas da organização criminosa. Os empréstimos, depois, eram pagos por construtoras com parte do dinheiro recebido por serviços prestados ao Governo do Estado.

Entre os anos 2007 e 2008, a SML Comunicação, na época de propriedade de Samuel Maggi Locks, fez vários empréstimos no Bic Banco. Em dois deles, nos valores de R$ 127 mil e de R$ 180 mil, a empresa deu como garantia ao banco valores que supostamente teria a receber do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Comunicação.

Como parte do suposto esquema de desvio de recursos públicos, o empréstimo da SML Comunicação foi pago diretamente ao Bic Banco pela Lince Construtora.

Enquanto secretário de Estado, Éder condicionou o pagamento dos créditos devidos à Construtora Lince pelos serviços prestados à administração pública ao compromisso da construtora de transferir parte do dinheiro recebido para empresas indicadas por ele.

 

Fonte: Olhar Direto

BANNER-NETWORK
COMPARTILHAR

Comentários